quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Amizade!



Oi gente! 

É difícil sempre ter inspiração para  postar algo, pra ser sincera muitas vezes penso em não escrever nada por isso  geralmente espero depois da minha sessão de terapia pra postar,  me sinto mais inspirada e mexida. 

Hoje queria falar sobre algo muito importante e cada vez mais raro: AMIZADE! quando paramos para pensar em nossas qualidades ( porque defeitos todos apontam, nem precisa pensar para achar 😉) muitos não sabem o que dizer né? 

Eu sempre respondo a mesma coisa: sou uma boa amiga, leal e dedicada, dedicação essa que já me “ralou” muuitas vezes, mas fez parte do meu crescimento como pessoa, porque é da minha personalidade,  meu jeito carinhoso de ser; porém custei a perceber que nem todos são assim, com os anos e os danos aprendi sobre moeda de troca, a gente dá algo mas precisa receber também , como tudo na vida não é? 

É uma via de mão dupla, uma questão de reciprocidade não há como sustentar uma relação sem isso. Eu sofri muito até  internalizar que muitas vezes amigas para sempre não existem, não por falta de sentimento mas porque precisamos fazer escolhas, mesmo que elas sejam difíceis.

Tem uma música chamada  Índios do Legião Urbana que adoro e ilustra bem meu texto de hoje 😉


 Quem me dera ao menos uma vez
Ter de volta todo o ouro que entreguei a quem
Conseguiu me convencer que era prova de amizade
Se alguém levasse embora até o que eu não tinha....”





Então é isso gente! Bom final de semana :)




Link da imagem: https://www.pensador.com/frase/MjE1OTgzMQ/ 

quinta-feira, 23 de agosto de 2018

Aconchego!



Sempre escutei que fazer o bem aos outros era a melhor maneira de ser feliz , doar seu tempo a quem precisa é muito importante; confesso que não dava muita bola achava legal mas tinha muita preguiça de começar e por que não dizer um pouco de medo de encontrar algo que eu gostasse e não quisesse nem pudesse faltar 
( isso é um probleminha meu, não consigo dar continuidade aos meus projetos) então depois de muitas tentativas frustradas comecei o voluntariado na ONG Saúde Criança de Porto Alegre onde faço parte da equipe educativa, brinco, conto historias, me divirto  e principalmente aprendo algo diferente a cada terça-feira  com as crianças e minhas colegas da ONG.

 Sabemos que uma criança consegue ser feliz por pouca coisa, um sol lá fora e elas estão alegres, mas aquelas crianças são especiais, elas tem desejos de coisas simples como tomar um sorvete, elas abrem um sorriso e os braços quando me olham e são gratas por aquele tempo que proporcionamos a elas, mas elas não imaginam que quem deveria agradecer a elas somos nós, muitas vezes vou pra lá sem ânimo, com alguma dor ou preguiça mesmo, porém quando estou lá é impossível não se entregar, não se deixar levar pelas risadas, pelos desenhos feitos com tanto carinho e  ensinamentos semanais que tenho lá. 

Sou grata pela oportunidade de estar com crianças tão especiais que nos ensinam a ser  melhor a cada dia, que por pior que seja nossa situação tem gente que pode estar pior mas vê luz no fim do túnel, ter a consciência  que muitas vezes a ONG, os voluntários e toda dedicação da equipe é a luz daquelas famílias,  dá uma satisfação e sensação de dever cumprido. 

Se Deus quiser vou passar um bom tempo com aquelas pessoas incríveis que tem me ajudado a ver a vida com outros olhos, olhos da alma, que me deram responsabilidade e esperança de dias melhores.




terça-feira, 14 de agosto de 2018

Maturidade x Imaturidade




Quando nossas verdades não podem ser contadas como deveriam passamos a acreditar em contos, em personagens que falam através da gente, não importa a idade sempre fica mais fácil por meio de outras pessoas contar algo que vivemos.


Minha infância foi entre agulhas e bonecas, minha brincadeira sempre tinha um equipamento de hospital mesmo quando estava em casa, pra mim brincadeira tinha que ser dentro de um hospital ainda que imaginário com doenças que parecessem tão reais quanto a minha, eu saia do hospital mas o hospital não saia de mim não que eu gostasse ou sentisse falta de estar internada mas porque por muitos anos aquilo era minha rotina, esperava o telefone tocar  e sabia que era hora de pegar as roupas que estavam separadas, minha mãe já tinha deixado “sob aviso”.

Ao internar já tinha decorado o procedimento: dar a baixa, esperar a enfermeira nos levar ate o quarto com a vaga, sabia que as 18 horas era a hora de “procurar a veia” era a hora de “furar” quando tinha sorte conseguia nas primeiras vez mas quando não a noite ia longa tentando achar a veia, agulhas passavam de mão em mão ate achar algo e sempre escutando a mesma frase: “Fica relaxada se não a veia escapa” sim, deveria ter ficado relaxada enquanto literalmente cavavam dentro do braço alguma veia útil. 

A rotina dentro de um hospital é estressante, não sei aonde é para descansar, medir pressão, temperatura, pesar todas as manhãs, como dormir com uma agulha no braço? Se mexer muito na cama não pode afinal acaba perdendo a veia, fora as noites que de tão cansadas eu e minha fiel escudeira (minha mãe) pegávamos no sono, acordava sem medicação rolando mais, secava e acabava perdendo a veia porque a enfermeira esqueceu de passar no meu quarto ou estava ocupada

Então as noites tornam-se longas e cansativas porque alguém precisava cuidar a medicação! Oito horas da manha já te acordavam, as vezes por nada mas é proibido dormir ate mais tarde ( a não ser que tu fique em um quarto privativo, dai a historia é outra....)

Começa cedo o dia por lá: fisioterapeuta, nutricionista, médico e quando lembravam de mandar a estagiaria de psicologia, o que eu particularmente não tinha saco! Não tinha paciência de falar o obvio: não estava tudo bem e não estava a fim de falar engraçado né? Logo eu que hoje amo minha terapia, mas naquele momento tinha vontade de mandar longe a pessoa, coitada!

A moral é a seguinte: na vida tudo precisa de maturidade, principalmente para encarar a vida com uma doença,  mas o que fazer quando nossa única opção é ser madura desde criança? Eu cheguei a uma conclusão: em alguns pontos amadureci demais,  vivi coisas que me fizeram ser adulta antes do tempo  mas em contra partida tenho imaturidades que não são  simples para serem  resolvidas!


Complicado não? 







*Fonte da imagem: https://osegredo.com.br/maturidade-emocional-nao-e-uma-questao-de-idade/